sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

{DICAS CULTURAIS} DO CLÁSSICO AO CONTEMPORÂNEO.

Pessoal, eu sei que esse assunto destoa um pouco do foco do blog, mas eu e Camila decidimos que faremos posts dessa natureza eventualmente, porque a diversidade de assuntos torna o blogue mais interessante. Sendo assim, vou compartilhar coisas legais que passaram por minha vida em Janeiro! Trata-se de dicas de livros e filmes que, como o nome do post indica, vão dos clássicos aos contemporâneos. Espero que gostem!

Vamos aos clássicos?

Crime e Castigo, Dostoiévski.

Eu não li esse livro todo em janeiro. Na verdade, iniciei a leitura em novembro e finalizei em janeiro, porque a minha edição tem 590 páginas que abrigam folhas finas, letras miúdas e nada de páginas em branco entre os capítulos. Crime e Castigo é um clássico da literatura russa e também mundial. Dostoiévski foi um dos maiores escritores de todos os tempos, e neste livro, ele conta a história de Raskolnikov, um jovem estudante que sobrevive em uma condição social miserável, e mostra uma mente louca permeada por pensamentos febris. Logo no início do livro, ele comete um crime brutal, e Dostoiévski descreve pormenorizadamente todos os seus pensamentos e sentimentos antes, e depois de cometer o crime. Vou avisando que, é impossível não se identificar com pelo menos alguns de seus pensamentos (no tocante às nossas emoções). O autor ainda conta paralelamente as histórias das personagens coadjuvantes, e tudo com muita riqueza de detalhes. As personagens são muito bem construídas e a história é muito bem pensada e amarrada. A cada página devorada, desperta-se o desejo de devorar cada vez mais, para saber como vai terminar a história. Achei que, todas as histórias contadas ao longo do livro são pesadas e, refletem com perfeição a miséria moral da humanidade. Acho ainda que, sobrevivi a este livro, porque estou num estado de espírito muito bom e feliz. Apesar disso, o livro é brilhante. Guardarei-o com amor no coração, pois é certo que o lerei novamente no futuro.

Gilda


De algum tempo para cá, ando comprando filmes do cinema clássico para assistir quando der (gosto de ter DVDs, sou meio acumuladora), porque penso que, conhecer esses filmes também é conhecer um pouco da história e dos costumes de cada época. Comprei o filme Gilda nas lojas Americanas, e acho que não paguei mais de R$ 15 por ele. Gilda é estrelado pela deslumbrante Rita Rayworth. A fita foi rodada em 1946. A história se passa em Buenos Aires, e tem como cenário, um luxuoso cassino, onde se desenrola um triângulo amoroso entre uma beldade atrevida e provocadora, um homem ciumento e um mafioso perigoso. O roteiro foi muito bem escrito, e nos faz vontade de ficar vidrado em frente a TV, ansiosos pelo desenrolar da história. É um ótimo filme. A aquisição valeu a pena e certamente vou rever muitas vezes!

Agora vamos ao contemporâneo?

Sex And The City.


Quem é órfão da série mais legal da vida, segura na minha mão vem! <o/ Eu amo incondicionalmente a série Sex And The Ciy e Carrie, Miranda, Charlotte e Samantha são minhas amigas imaginárias. E não, Eu não sou uma retardada! Tenho a série completa e os filmes em DVD antes que alguém pergunte, eu já respondo: não. Eu não empresto. Sempre tive vontade de ler o livro que inspirou a série. Dia desses, encontrei-o numa livraria  e comprei imediatamente, antes que nunca mais encontrasse outro para chamar de meu (comprei-o junto do livro do Dostoiévksi, inclusive). O livro é uma compilação da coluna que a jornalista Candace Bush escrevia para o jornal New York Observer nos anos 1990. Ela relatava histórias de personagens reais da alta roda novaiorquina que frequentava. Carrie e Samantha e Mr. Big existiam de verdade. Tem outra personagem que parece com a Miranda, e nenhum sinal da Charlotte. Quem é aficionado pela série, reconhecerá as crônicas muito parecidas com os episódios da primeira temporada. É um livro divertido, mas de qualidade literária bem pobre. Em outras palavras, é um bom livro para quem gosta de leitura fácil. Como disse no meu outro blog, eu amo os livros, mas neste caso, eu prefiro a série.

O lado bom da vida.


Dia desses, eu fiz uma coisa totalmente inusitada para os meus padrões. Virei uma madrugada de sábado assistindo filmes na tv a cabo. E zapeando os canais depois de ter assistido Tropa de Elite 2, encontrei o filme O Lado bom da Vida em algum canal. Optei por assisti-lo porque estava no começo e rapidamente senti-me presa a ele! Estrelado por Pat Solitano e Jannifer Lawrence (que está linda por sinal), a trama conta a história de Bradley, que após ter um surto agressivo (ok ele é meio louco), foi internado numa clínica psiquiátrica, e perdeu tudo o que construiu na vida: seu emprego, seu apartamento, seu lar, e de quebra, ganhou uma intervenção judicial que o proibia de se aproximar de sua ex-esposa. Ao sair da clínica, colocou na cabeça que queria retomar tudo o que perdeu na vida, inclusive o seu casamento. Mas logo de cara, conhece Tiffany, uma garota linda, misteriosa, igualmente louca, que o ajuda a reconstruir sua vida. O filme é muito interessante, dinâmico e envolvente! Vale o tempo investido!

Espero que vocês tenham gostado do post! Só não sei se deverei acumular experiências durante o mês, e juntar tudo num único post, ou deveria ir postando, conforme for lendo/assistindo... O que acham?

Bom final de semana! ♥

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Assim fica fácil comer batata doce Aprovadissima :)